A Hierarquia pode ser sinônimo de sucesso?

A Hierarquia pode ser sinônimo de sucesso?

A Hierarquia pode ser sinônimo de sucesso?

*Por Ricardo Missel

A hierarquia tem sido a base da cultura nas organizações desde a Era Industrial. Foi um formato até pouco tempo comprovado de estrutura de negócios que deu certo. As pessoas enxergavam como motivadora a possibilidade de alcançar postos de trabalho mais altos e cargos mais ao topo de uma pirâmide de relativa importância. Existia até um caminho ideal para chegar até lá.

Já faz alguns anos e a tendência nos mostra que essa realidade, além de não atrair os melhores profissionais, não consegue responder as demandas de um mercado globalizado e extremamente volátil da qual fazemos parte. Prova disso são as constantes notícias de empresas que reduzem seus níveis hierárquicos, eliminando cargos intermediários da pirâmide como gerentes e coordenadores.

É um processo que trabalha muito fortemente a autonomia pelo desempenho, pois a estrutura hierárquica está muito relacionada ao controle das atividades, da comunicação e a burocratização dos negócios. São características que não representam as demandas de um ambiente que atraia talentos para as empresas e não respondem as necessidades dos mercados.

O despertar dessa discussão teve início na chegada das novas gerações no mercado de trabalho, e os diferentes perfis e comportamentos que esses profissionais apresentam no dia a dia. São jovens formados por um modelo de educação que prioriza diversos aspectos diferentes dos tradicionais, mas que têm conexão direta com as características do mundo VUCA (sigla do inglês para volátil, incerto, complexo e ambíguo). Agilidade, flexibilidade, pensamento sistêmico e adaptabilidade são características de um novo mercado, e são muito desenvolvidas nesses jovens profissionais.

Algumas das principais tendências que indicam essa mudança na estrutura das empresas são:

Liderança ocasional e orientada por Objetivos

As equipes e lideranças são flexíveis e mutáveis, e isso é definido a partir da demanda atual. Equipes por projetos, job rotation, horários e locais de trabalho flexíveis, contratos de trabalho temporários, entre outros aspectos, são características que determinam relações de trabalho menos hierárquicas e mais focadas em objetivos.

Habilidades de liderança devem fazer parte do perfil da maioria dos profissionais, pois esse papel poderá ser exercido conforme os objetivos de cada projeto, sem a relação direta com o cargo.

Busca por Propósito e por pertencer

É fundamental que haja propósito na atividade fim do negócio. O envolvimento e engajamento são diretamente proporcionais ao quanto o profissional se identifica com a atividade. Portanto, a sensação de pertencer a empresa e realizar as atividades com êxito têm ligação direta com o propósito do negócio. A atração e retenção de talentos inicia pela identificação das pessoas com o propósito do negócio.

Gestão da Empatia e das Relações

O bom relacionamento e a empatia entre diferentes pessoas, respeitando diversidades e valores é o que dá o tom ao ambiente de trabalho. Tanta flexibilidade demanda habilidades de relacionamento para qualquer profissional. Independente do papel ou cargo que esteja ocupando, agir com empatia é fator chave de sucesso.

Junte-se aos nossos assinantes.

Receba as notícias do nosso blog, quentinhas, direto do forno.


Deprecated: Function create_function() is deprecated in /home/admin/web/blog.feedbackmanager.com.br/public_html/wp-content/plugins/contact-form-7/includes/formatting.php on line 59



Posts mais vistos


  • Saiba Mais

  • Publicidade