5 erros mais comuns ao dar um feedback

5 erros mais comuns ao dar um feedback

5 erros mais comuns ao dar um feedback

O feedback faz parte das atividades de um líder. Conversar sobre os erros e acertos dos colaboradores é essencial para que se tenha um bom funcionamento do negócio. O feedback é fundamental para manter um bom relacionamento e ajudar no desenvolvimento dos funcionários e da empresa.

Porém, esse processo exige muita atenção e bom senso do gestor, pois, quando feito da forma incorreta, pode trazer efeitos prejudiciais aos colaboradores e grandes danos para a empresa. Por isso, para auxiliar o líder nessa atividade, elencamos alguns dos 5 erros mais comuns ao dar um feedback.

 

Perder o prazo de validade

 

Um dos erros que se observa no processo do feedback tem a ver com o prazo de validade. O tempo entre as conversas com os profissionais não deve ser muito longo, já que o ideal é que a prática esteja no dia-a-dia da organização, de forma regular.

Especialistas recomendam que o feedback ocorra a cada dois ou três meses no máximo, pois nesse período é possível realinhar metas e planos, além de mensurar resultados.

timing é fundamental nesse processo.

 

Expor o colaborador

 

Um dos pontos fundamentais no momento do feedback é ter bom senso na hora de passar um feedback negativo ao colaborador. Ter essa conversa negativa na frente dos outros colegas é considerado antiético e pode ser muito constrangedor para o profissional.

O feedback tem o objetivo de melhorar a relação e torná-la clara e transparente e, se ocorrer de forma constrangedora, pode ter o efeito contrário na equipe.

O ideal é que a atividade não tenha plateia, ou seja, ocorra de forma reservada, a menos que seja para fazer um reconhecimento público de um bom trabalho.

 

Dar feedback vago

 

É essencial apontar exatamente os erros e os acertos dos profissionais, indicando ações que podem ser tomadas em relação a isso. Se o feedback for negativo, converse com o colaborador sobre como ele pode evoluir e melhorar, por exemplo.

No processo do feedback não adianta apenas dizer se é bom ou ruim. Deve ser conversado sobre cada ponto com transparência e ética, para que se consiga um resultado mensurável na organização.

 

Não checar informações

 

No momento da conversa, o gestor deve ter em mente os resultados da empresa e os pontos positivos e negativos a serem discutidos. Tudo isso deve ser conferido, para que se tenha certeza daquilo que se está apontando frente aos funcionários.

Antes de chamar os profissionais para passar um feedback, deve-se ter a confirmação de que as informações estão corretas. O gestor não pode contar apenas com o que lhe falaram ou contar com o “achismo”. Ele deve ter dados concretos em mãos para não causar problemas na relação com o profissional.

 

Generalizar atitudes

 

O gestor deve evitar palavras que generalizam as ações, como “sempre” ou “nunca”, por exemplo. O ideal é tratar os fatos como casos isolados para que se estimule o colaborador a mudar, caso seja um ponto negativo.

Generalizar as ações e generalizar a equipe demonstra certa dificuldade no diálogo entre líder e funcionários.

 

Quando o feedback ocorre de forma clara e objetiva, sem exposição e isento de julgamentos e valores, tende a trazer resultados extremamente positivos no clima e nos resultados da empresa.

 

Confira mais informações sobre o processo do feedback no nosso e-book Como usar o feedback no dia-a-dia

Junte-se aos nossos assinantes.

Receba as notícias do nosso blog, quentinhas, direto do forno.




Posts mais vistos


  • Saiba Mais

  • Publicidade